local 1

Cirurgia à laser é alternativa cada vez mais acessível

Por Portal A Voz Da Cidade em 01/10/2020 às 16:27:26
Veja como é possível eliminar definitivamente os problemas de visão O avanço tecnológico permitiu que uma série de procedimentos para corrigir a visão pudessem ser feitos com mais conforto, qualidade e segurança. No caso das cirurgias refrativas, que tratam problemas como miopia, astigmatismo, hipermetropia e presbiopia, , o uso do laser é a alternativa de maior precisão e recuperação mais rápida. Além disso, o procedimento está cada vez mais popular e acessível.

Em termos de demanda pela cirurgia a laser, a procura por procedimentos varia por idade. "Os principais procedimentos que tratam da córnea e cristalino, por exemplo, envolvem desde pacientes jovens, a pacientes na faixa dos 40-55 anos. Esses últimos reclamam da visão de perto, a chamada presbiopia. Casos de catarata e transplantes de córnea também podem se beneficiar da tecnologia a laser, explica o médico Márcio Zapparoli (CRM 22011 – RQE 15531).

Hoje, a oftalmologia também aplica o laser em outros tratamentos. "Os retinólogos (médicos especializados em tratar problemas na retina) usam laser para pacientes diabéticos; existe laser para fazer controle de glaucoma, para polimento de lentes em pacientes que já passaram por cirurgia de catarata, comenta o médico.

Caminho para a popularização

Embora o avanço auxilie em questões como tempo de recuperação e precisão durante os procedimentos, ainda há muito desconhecimento. Principalmente por envolver um dos mais nobres sentidos - a visão, uma boa parcela da população tem dúvidas e até medo. O Dr. Márcio explica que essa cirurgia, dentro da Medicina, é considerada uma das mais seguras. "A gente consegue entregar um resultado cada vez melhor, seguro e previsível com o avanço dos equipamentos e das plataformas".

Ele ainda aponta que há muitos benefícios em optar pela cirurgia refrativa. "Às vezes o procedimento traz não só a correção completa do grau e a liberdade em relação ao uso do óculos ou da lente de contato, mas também uma qualidade visual até superior. É uma cirurgia que realmente liberta e que muitos relatam, após a recuperação, que gostariam de ter decidido pela cirurgia até antes, para poder desfrutar mais", completa

Outro ponto que ainda é um empecilho na popularização é o custo. Este tipo de procedimento envolve um alto investimento de clínicas em equipamento e tecnologia, o que acaba afetando principalmente o público de classes mais baixas. Mas as próprias clínicas têm buscado iniciativas para viabilizar o acesso.

"Na Médicos de Olhos S.A temos plano "família mais", que é um convênio para classes menos favorecidas, com a oferta de todos os equipamentos de última tecnologia. A diferença é que conta com um subsídio melhor em relação a formas de pagamento e ao custo real do procedimento", continua Zapparoli.

Ainda neste sentido, o Dr. Márcio Zapparoli comenta que, para pessoas que fazem uso de óculos e lentes de contato há tempos, o planejamento financeiro pode mostrar mais vantajoso para a cirurgia. "se o paciente depende do uso de óculos ou eventualmente de lentes de contato, isso exige também uma manutenção. Pelo menos uma vez por ano a pessoa vai ter que trocar a lente ou óculos. Se o paciente faz um plano e coloca na ponta do lápis o quanto que ele gastaria em alguns anos nos óculos e nas lentes de contato, e o quanto ele investiria na cirurgia, perceberá que vale a pena".

Dr. Márcio Zaparolli

Divulgação

O que mudou com a Pandemia

Durante o período de isolamento e proteção contra o Covid-19, muita gente aproveitou a oportunidade e o tempo para tratar a vista. "A maior procura está relacionada com a dificuldade em usar óculos com máscara, que gera embaçamento e insatisfação tanto no público mais jovem como de meia idade" comenta Zapparoli. Ele reforça que essas pessoas têm procurado mais a opção de correção cirúrgica.

Mas o doutor explica que cada procedimento tem as próprias especificidades. "A gente precisa ter critério em relação a anatomia do olho, espessura corneana, critérios em relação a índices de curvatura, de assimetria da córnea; tem que excluir doenças preexistentes na córnea, como é o caso do ceratocone", comenta. "De acordo com o grau do paciente a gente pode indicar qual que é a melhor forma de tratamento", conclui.

Dr. Márcio Zaparolli

Diretor Técnico: Dr. Hamilton Moreira - CRM 9388 / RQE 2872

Pacientes tem piora na visão durante a pandemia

Fonte: G1 PR

local 2

Comentários

local 3