local 1

Políticos destituídos por golpe de Estado em Mianmar anunciam a criação da própria força de defesa

Por CABN em 05/05/2021 às 13:06:21
O exército tomou o poder e reprimiu protestos. Quase de 770 civis morreram nos últimos três meses em ações das forças de segurança. Imagem de protesto na cidade de Dawei contra o golpe de Estado em Mianmar, em 5 de maio de 2021

Divulgação/Dawei Watch/Via AFP

O governo "paralelo" de Mianmar, integrado por deputados destituídos que passaram para a clandestinidade, anunciou nesta quarta-feira (5) a formação de sua própria "força de defesa" destinada a lutar contra a junta militar.

LEIA TAMBÉM

Entenda a situação em Mianmar, onde manifestantes são massacrados enquanto militares golpistas festejam

VÍDEO: Novos protestos em Mianmar após mais uma morte de manifestante

O "governo de unidade nacional" instaurado em abril deseja que esta "força de defesa do povo" proteja os civis da repressão violenta do exército, afirmou o órgão em um comunicado, sem revelar detalhes sobre a forma como a força será organizada e armada.

Golpe de Estado em Mianmar

Mianmar vive em ebulição desde o golpe de Estado de 1º de fevereiro contra o governo eleito de Aung San Suu Kyi, vencedora do Nobel da Paz em 1991.

O exército reprimiu os protestos e quase de 770 civis morreram nos últimos três meses em ações das forças de segurança.

A junta militar afirma que o número de vítimas é muito menor e atribui a responsabilidade da violência aos que chama de "amotinados".

O "governo de unidade nacional" espera formar um "exército de união federal" que reunirá os dissidentes e facções rebeldes étnicas contrárias à junta.

Os episódios de violência prosseguem no país.

Cinco pessoas, incluindo um deputado da Liga Nacional pela Democracia, partido de Aung San Suu Kyi, morreram quando tentavam fabricar uma bomba, informou a imprensa estatal.

Várias bombas de fabricação caseira foram detonadas no país nos últimos dias, particularmente na capital econômica Yangon, mas sem deixar vítimas.

Veja os vídeos mais assistidos do G1

Fonte: G1

Comunicar erro
local 2

Comentários

local 3