local 1

Cresce número de cidades com mais mulheres que homens eleitores; 3 em cada 5 municípios têm mais eleitoras

Por Portal A Voz Da Cidade em 27/09/2020 às 07:53:33
Do total do eleitorado apto para estas eleições, 52,5% são mulheres e 47,5%, homens. Especialista diz que dado reflete idade da população adulta brasileira. As mulheres são a maioria dos eleitores em 3.386 dos 5.568 municípios (61%) onde haverá eleições neste ano. Esse número já é superior ao registrado no pleito anterior, de 2016. Naquela ano, elas já eram mais da metade dos eleitores em 2.963 municípios. Os dados foram levantamentos pelo G1 no repositório do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

No total, 147,9 milh̵es de eleitores esṭo aptos a participar destas elei̵̤es Р52,5% ṣo mulheres e 47,5%, homens. Em 2016, as mulheres eram 52,2% e os homens, 47,8%.

Entre os municípios com a maior proporção de mulheres eleitoras estão Salvador (BA), Olinda (PE) e Queimados (RJ), todos com 56%. Já os estados com o percentual mais alto de mulheres são Pernambuco e Rio de Janeiro, ambos com 54%.

Municípios com mais mulheres

Por outro lado, os municípios com mais eleitores homens são Marajá do Sena (MA), Serra Nova Dourada (MT), Novo Santo Antônio (MT) e Santa Cruz do Xingu (MT), todos com 56%. Nenhum estado registra mais eleitores homens do que mulheres. O Pará é o único estado que apresenta a mesma proporção de eleitores homens e mulheres.

Municípios com mais homens

Segundo projeção do IBGE, a população brasileira é formada por 51% de mulheres e 49% de homens. Segundo a demógrafa do IBGE Izabel Marri, a pequena diferença entre os dados se deve ao fato de o eleitorado ser formado principalmente por pessoas na idade adulta. Já o número maior de mulheres se deve a fatores sociais e biológicos.

"Ao longo da vida morrem mais homens por fatores biológicos e há maior mortalidade de homens do que mulheres principalmente por causas externas, como homicídio e acidentes. Quando a gente observa a pirâmide etária brasileira, quanto mais a gente avança [na idade] maior o grupo de mulheres do que de homens", diz.

Quanto às cidades com mais homens, ela aponta que um dos motivos pode ser a presença de atividades como pecuária, agropecuária ou mesmo extração mineral, que atraem homens na idade economicamente ativa.

Urna eletrônica

John Pacheco/G1

Mulher na política

A cientista política Teresa Sacchet, professora do programa de pós-graduação do Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher da Universidade Federal da Bahia (UFBA), lembra que as mulheres já garantiram a reserva de, no mínimo, 30% das vagas para eleições proporcionais, mas diz que isso ainda refletiu completamente em mulheres eleitas.

O número de mulheres eleitas até aumentou nas eleições de 2018 em comparação com os anos anteriores, mas a participação feminina no Brasil ainda é baixa. Segundo ela, algumas mudanças na legislação, como a cota de vagas para mulheres e a mesma regra para o repasse do Fundo Eleitoral, contribuíram para isso.

Ela lembra ainda que nestas eleições surgiram também mais cursos voltados para a capacitação de mulheres candidatas, como o "(Re)Presente! Mais Mulheres na Política", que ela coordena. Para a cientista política, os partidos precisam encarar a representação de mulheres e negros na política como uma questão importante.

"A maior parte das mulheres eleitas ainda é branca. Mesmo em estados como a Bahia, quase 70% das mulheres eleitas são brancas, sendo que 82% da população é negra. Então tem muita desigualdade, muita desigualdade na disputa, muita luta. As regras implementadas são boas, porém não estão sendo cumpridas", afirma Teresa.

Ela cita, por exemplo, o dinheiro repassado a candidatas mulheres que eram obrigadas a devolver a verba a dirigentes e também o uso de recursos do Fundo Partidário tendo como destino a capacitação de mulheres para outras finalidades.

Presidente do TSE pede cuidado com coronavírus e com fake news nas eleições

Teresa acrescenta ainda que, apesar de se estimular a participação das mulheres, não é certo dizer que "as mulheres são mais corretas e menos corruptas" do que os homens nem mesmo associá-las "ao papel de mãe, de emotivas, ao papel de cuidado, que trilha as mulheres e dificulta a entrada delas na vida pública". Ela reforça, porém, a pluralidade de vozes na tomada de decisões, com opiniões vindas de diferentes parcelas da população, é importante na construção de políticas públicas.

A pesquisadora associada do LabGen-UFF Débora Thomé, doutora em ciência política e coautora do livro "Mulheres e Poder: Histórias, Ideias e Indicadores", reitera que o financiamento da candidatura é um dos principais fatores relacionados à taxa de sucesso de um candidato.

Ela lembra ainda que, apesar de a lei obrigar o destino de 30% do dinheiro público para campanha de mulheres, a distribuição ainda é "superconcentrada". Para ela, a vitória de um candidato também é mais provável se ele estiver disputando uma reeleição e se tiver boas relações com o partido. Além disso, afirma Débora, as mulheres ainda precisam desenvolver relações dentro de partidos dominados por homens.

"Eu não acredito que a mulher é melhor ou pior ou que o homem é melhor ou pior na política. Só que quando você tem grupos que não estão representados na política significa que essa democracia não está perfeita. Não está nem perto disso. As instituições, as regras, estão bloqueando essa entrada das mulheres de alguma forma. Não há um favorecimento para as mulheres na política. Essa é a perda. Isso demonstra que as instituições não estão funcionando bem se as mulheres não estão entrando. E isso vale tanto para nível local quanto para nível nacional", diz a pesquisadora.

"O nível local é por onde as pessoas começam. Quando as pessoas se candidatam, de um modo geral, elas vão tentar virar vereadora, depois vão tentar outro cargo maior. Muitas vezes é assim que funciona. Então, se você tem dificuldade de entrar até na vereança, como a gente quer imaginar que vai ter mais deputadas, mais governadoras? O Brasil tem uma governadora eleita e há 26 estados. E o percentual de prefeitura é 10%, muito baixo. É o pior país da América Latina, não estou comparando com os países nórdicos. A América Latina está discutindo paridade [de gênero], e a gente está salvando a cota de 30% e olhe lá."

VÍDEOS: Tudo sobre política no Brasil e no mundo

Fonte: G1

local 2

Comentários

local 3