local 1

Vice-prefeito de Marmereiro Pr, senhor Altair Gabriel, da versão após sua denuncia contra Roberto Conte e Jeferson cassaro que a Prefeitura de Marmeleiro publicou no seu site Reclame Marmeleiro no Facebook a troca dos cargos, como podem ver provas na matéria.

PERGUNTA: O RECLAME MARMELEIRO E DA PREFEITURA?

Por Portal A Voz Da Cidade em 19/10/2020 às 11:14:34

Vice-prefeito de Marmereiro Pr, senhor Altair Gabriel, após registrar boletim de ocorrência Contra o Presidente Nacional da AFAP BRASIL, Roberto Conte e o Agente de fiscalização de gastos públicos Jeferson Cassaro, do fato de não constituir a crime e não comparecer em audiência, ele responderá por denunciação caluniosa.

A Denunciação Caluniosa é um delito previsto no código penal, na parte "Dos Crimes Contra a Administração Pública". É pouco conhecida do público em geral, que a confunde por vezes com Denúncia, crime previsto no Código Penal na parte "Dos Crimes Contra A Pessoa". Ambos os crimes atingem a honra do indivíduo, seja de forma direta ou indireta. E quando isso acontece, cabe ao Direito Penal a proteção à honra da pessoa atingida, em cumprimento ao que está previsto na Constituição Federal por meio do Princípio da Dignidade da Pessoa Humana. Vejamos abaixo artigos correspondentes aos dois delitos suso referenciados:

Estranho o Vice Prefeito de Marmeleiro Pr, Senhor Altair Gabriel diz em sua versão A PREFEITURA NO SEU SITE RECLAME MARMELEIRO NA REDE SOCIAL FACEBOOK. ISSO QUER DIZER QUE O RECLAME MARMELEIRO E DA PREFEITURA? O MESMO NO DIA DA DENUNCIA DA UMA VERSÃO, E DEPOIS OUTRA. SEGUE NA IMAGEM.

Calúnia

Art. 138 - Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime:

Pena - detenção, de seis meses a dois anos, e multa.

§ 1º - Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga.

§ 2º - É punível a Calúnia contra os mortos.

Exceção da verdade

§ 3º - Admite-se a prova da verdade, salvo:

I - se, constituindo o fato imputado crime de ação privada, o ofendido não foi condenado por sentença irrecorrível;

II - se o fato é imputado a qualquer das pessoas indicadas no nº I do art. 141;

III - se do crime imputado, embora de ação pública, o ofendido foi absolvido por sentença irrecorrível.

Denunciação Caluniosa

Art. 339 - Dar causa à instauração de investigação policial, de processo judicial, instauração de investigação administrativa, inquérito civil ou ação de improbidade administrativa contra alguém, imputando-lhe crime de que o sabe inocente: (Redação dada pela Lei nº 10.028, de 2000)

Pena - reclusão, de dois a oito anos, e multa.

§ 1º - A pena é aumentada de sexta parte, se o agente se serve de anonimato ou de nome suposto.

§ 2º - A pena é diminuída de metade, se a imputação é de prática de contravenção.

São várias as semelhanças entre os dois delitos, chegando ao ponto de a Denunciação Caluniosa já ter sido chamada de Calúnia Qualificada, pois os elementos que tipificam a Calúnia (imputar, falsamente, a outrem um delito) estão presentes na Denunciação Caluniosa. Todavia, no caso da Denunciação Caluniosa, é necessário também que haja a comunicação à autoridade competente e a instauração de investigação policial, de processo judicial, de investigação administrativa, inquérito civil ou ação de improbidade administrativa contra alguém, para que o crime se configure.

O dolo na Denunciação Caluniosa é a vontade de provocar investigação policial ou processo judicial. O agente leva ao conhecimento da autoridade, mediante o delatio criminis, o fato, sabendo-o falso, provocando investigação sobre uma pessoa. A Denunciação Caluniosa só estará completamente configurada quando for provada a inocência de tal pessoa, seja por uma decisão judicial ou administrativa inocentando-a, ou arquivamento de inquérito policial.

Ambos os delitos atingem a honra do sujeito passivo, pois o agente imputa-lhe crime não cometido. Na Calúnia, a honra é atingida mediata e imediatamente; já na Denunciação Caluniosa, a honra da pessoa é atingida mediatamente, e a administração da Justiça imediatamente. Neste caso, são dois os sujeitos passivos: o Estado e a pessoa atingida pela falsa denunciação. Punir-se-á o agente por ter retirado a jurisdição da inércia sem necessidade e por ter ferido a honra objetiva do ofendido.

No caso de Denúncia, a ação é, em regra, privada. Já no caso de Denunciação Caluniosa, a ação será pública incondicionada. Em ambos os casos, o ofendido deverá fazer um Boletim de Ocorrência, e fazer uma representação junto a uma Delegacia Criminal, onde será instaurado o Inquérito Policial, se for o caso. A Denunciação Caluniosa tem como peculiaridade a possibilidade do ofendido denunciar diretamente ao Ministério Público. O requisito para isso é que haja a chamada "prova plena" da inocência do ofendido. De posse da "prova plena" é desnecessária a instauração de Inquérito Policial para que o Ministério Público receba a denúncia feita pelo ofendido.



local 2

Comentários

local 3